Decreto estadual autoriza o retorno das aulas presenciais em alguns níveis de ensino

Decreto estadual autoriza o retorno das aulas presenciais em alguns níveis de ensino

O retorno às aulas presenciais em cidades com bandeira preta e com o sistema de cogestão será opcional às famílias no Rio Grande do Sul. De acordo com a secretária de Educação, Raquel Teixeira, as atividades seguirão de forma online para as famílias que optarem por este formato. Na noite de quinta-feira, o governador Eduardo Leite publicou um decreto que permite o avanço para a volta das aulas presenciais. Pelo decreto, poderão retornar aos encontros presenciais:

– ensino Infantil e nos primeiros e segundos anos do Ensino Fundamental;

– plantões para atendimento aos alunos de ensino médio técnico, de ensino superior e de pós-graduação;

– permitido estágio curricular obrigatório e pesquisas consideradas essenciais para a conclusão de curso e de manutenção de seres vivos;

– permitido cursos profissionalizantes, de idiomas, de música, de esportes, dança e artes cênicas, e de arte e cultura, os chamados cursos livres;

Desta forma, a partir de segunda-feira os alunos desses níveis poderão voltar às escolas. “As escolas estarão abertas para acolher principalmente aqueles pais que trabalham e não têm onde deixar os filhos, esses serão os prioritários”, frisou Raquel Teixeira. Segundo ela, em torno de 125 mil alunos no Estado frequentam a educação infantil e o 1º e o 2º ano do Ensino Fundamental. Além disso, a secretária disse que os professores que pertencem a grupos de risco por conta da Covid-19 estarão preservados em casa e que profissionais temporários devem ser contratados.

“Estamos fazendo um trabalho reforçado na Secretaria para garantir as melhores condições em todas as escolas que estarão abertas na semana que vem”, destacou, complementando que todas as escolas devem enviar um plano de contingenciamento para essa retomada. “Esse plano é enviado por cada escola e será monitorado para garantir que haja toda essa estrutura pensada para garantir a redução do risco”, detalhou.

Fonte: Correio do Povo

Comentários