Reunião na Acisb define defesa pela renovação da concessão da Ponte Internacional

Reunião na Acisb define defesa pela renovação da concessão da Ponte Internacional

Foto: Edson Arce/FSB

Na manhã de quinta-feira, dia 19, outra reunião de cerca de duas horas ocorreu na sede da Acisb, convocada por seu presidente, e que contou com a participação da CDL, vereadores atuais e eleitos, despachantes aduaneiros e imprensa. A intenção das entidades ligadas ao empresariado é criar um ambiente favorável à renovação do contrato com a Mercovia e evitar prejuízos ao município com a perda de empregos e recursos provenientes de impostos gerados na ponte.

Durante o encontro ficou acertado que serão formadas comissões destinada a tratar da renovação da concessão da ponte por mais cinco anos, fim do pedágio para o trânsito vicinal e buscar uma compensação financeira aos municípios de Santo Tomé e São Borja. Já a intenção dos vereadores é de criar uma comissão na Câmara Municipal para acompanhar o processo e acionar o Parlamento do Mercosul na Câmara Federal para ajudar na solução. A opinião das lideranças é de que não há tempo suficiente para realização de nova licitação até agosto do ano que vem. Por isso, a renovação do contrato de concessão é vista como a melhor solução neste momento.

Wolmi Oliveira destacou a importância de se manter o CUF da maneira em que está, pois é ágil, funciona bem e rende divisas tantos às cidades como aos dois países. “Não podemos perder este empreendimento que mudou muito São Borja e que também é importante para o Mercosul”, disse Oliveira. Ele convocou a todas as lideranças no sentido de encararem o desafio e evitar que a Argentina tome medidas unilaterais com prejuízos à fronteira.

Na reunião, o diretor de Relações Internacionais da Acisb, Enedir Pinto Ramires, apresentou as instalações do CUF, investimentos feitos e a situação atual. Segundo ele, são mais de 700 colaboradores trabalhando no local, do total 500 são brasileiros. São 37 empresas estão instaladas junto à Mercovia, mas um total de 432 empresas operam na passagem de mercadorias pela ponte. Mais de 100 mil caminhões carregados passam pelo circuito fronteiriço a cada ano, gerando milhões de dólares em importações e exportações.

Na terça-feira, dia 17, uma outra reunião foi realizada na Mercovia, convocada pela Delcon com a participação de representantes de órgãos públicos dos dois países, empresas que atuam na ponte, representantes de entidades de classe e os prefeitos das cidades vizinhas. O assunto foi a situação do contrato de concessão da ponte com a Mercovia que termina no dia 29 de agosto de 2021.

Comentários